HOME | HISTÓRICO | TÉCNICAS | TRABALHOS | ARTIGOS
PALESTRAS | MONOGRAFIAS | CURRÍCULO | CONTATO
ARTIGOS

RESTAURAÇÃO DE IMAGEM DE CRISTO CRUCIFICADO

Volta

Por Eneida Verri Bucco Oliveira
São Paulo

            Este foi um trabalho de procedimentos de restauração da imagem sacra de um Crucificado executado no Laboratório de Conservação e Restauração do Museu da Inconfidência em Ouro Preto,MG. Trabalho este que foi tema da minha monografia apresentada para efeito de Conclusão do Curso Técnico de Conservação e Restauração de Bens Culturais da Faculdade de Artes de Ouro Preto, MG. O objetivo deste trabalho foi expor os procedimentos técnicos utilizados durante a restauração da obra, bem como a contextualização histórica do Crucificado e sua iconografia. Trata-se escultura policromada da imagem de um Cristo Crucificado exposto na Sala dos Filósofos do mencionado Museu, cujo local, antes da sua reforma, estava exposto à luz e poeira, apresentando acúmulo de sujidades e deteriorização da policromia, bem como desprendimento dos membros superiores e inferiores, que haviam sido serrados.

            Após a reforma, em 2.006, o Museu da Inconfidência de Ouro Preto, apresenta todas as normas técnicas museológicas modernas e o Cristo restaurado voltou para seu lugar. A obra tem como características uma escultura dramática em estilo Barroco erudito de meados do século XVIII (entre 1730-1760). Esculpida em cedro policromado em encáustica,( cera quente utilizada para o acabamento pictórico final), obra executada por artista desconhecido.
            Esta imagem representa o Senhor do Bonfim, tendo como acessórios uma cruz de madeira simples e cravos nas mãos e pés de composição assimétrica com muita movimentação do panejamento do perisônio (tecido que cobre a cintura do Cristo); apresenta no rosto expressões de sofrimento.

            Em relação aos dados históricos do Cristo Crucificado e sua descritiva iconográfica, podemos dizer que esta imagem possui tamanho natural e era utilizada nas encenações do descendimento da cruz na Sexta-feira Santa, e após colocada em um caixão para visitação dos fieis. Por este motivo os braços eram retirados para melhor acomodação da imagem no caixão e em seguida exposto em procissão nas ruas seguido pelos fieis. Este hábito ainda hoje se vê em quase toda a maioria das cidades de Minas Gerais.
            Em relação à análise histórica sobre o surgimento do Crucificado, consta que este tipo de imagem barroca surgiu durante o século XVI. Porém, as imagens sangrentas que possuíam expressões de sofrimento surgiram justificadas e incentivadas pela Igreja da Contra Reforma, cujo o objetivo era de reafirmação do dogma católico. A Igreja da época temia perder fieis para o Protestantismo, movimento de Calvino e Lutero que despontava e tomava força na época. Surge então a Arte Sacra Barroca na Europa e posteriormente, após o século XVI e XVII chega ao Brasil.
            Anteriormente a esta época as imagens do Cristo eram retratadas com o Cristo, sem sofrimento, em pé vestido em roupas e expressões claras e suaves, cercado por carneirinhos, simbolizando a paz. Esta imagem iconograficamente foi chamada de Jesus o Bom Pastor.

            Este trabalho técnico de restauração do Crucificado foi feito em 3tres meses, atendendo às normas minimalistas, ou seja com a mínima intervenção possível, pois a ética e o compromisso do restaurador é manter a obra o mais original possível, respeitando seu histórico e sua iconografia, bem como manter-se fiel à sua característica e as cores utilizadas.
   
Volta